Race

INTERVIEW: Brazilian Black feminist philosopher Djamila Ribeiro on intersectionality and the Black feminist movement

February 25, 2016

Brazil has seen a huge rise of the black feminist movement in the last years. Black women have reached spaces that before were only occupied by white people. Brazilian philosopher Djamila Ribeiro, Master in Political Philosophy – Federal University of São Paulo – is a great example of that. She’s woman, she’s black and she has brought inside the academy the struggles of black girls who won’t take back down.

Portuguese and English translations below.

By Robin Batista*, AFROPUNK contributor 

Robin Batista: The teaching of philosophy has always been focused on male philosophers by playing the idea that thinking and doing politics was something for men. How is it to be a female philosopher in a space like that, in which people still expect to hear only male voices?

Djamila Ribeiro: It is not easy yet, because there is an invisibility of women’s history in the traditional history of philosophy. In my degree I didn’t study any female philosopher, I had to seek such references on my own. So it was a work from the outside of the academy. I often feel I’m in a non-place, I don’t fit in any tradition because I am more interested in using the concepts brought by women philosophers as means of interpreting the world and not only as a static history.

Robin: Did any Brazilian female thinkers inspire you to insert yourself in philosophy? Is the intellectual production of women valued in a relevant way in Brazil, in order to theoretically contribute to the construction of a particular social or political group? How do you see that?

Djamila: Lélia Gonzales, Sueli Carneiro, Luiza Bairros, among others, are great inspirations to me, like foundations. Relative to white women, there has been a breakthrough, many of them already conquered space and are recognized in their fields. But, regarding to black women, we still have a long way to go to combat what black feminists call “epistemicide”, the murder of our epistemes, as if black women don’t produce knowledge. There is much knowledge produced, but there is still a vision based in the male and the white.

Robin: And which other black women from other places inspire you? How or in what they collaborate to form your philosophical positions?

Djamila: Angela Davis, bell hooks, Claudia Jones, Patricia Hill Collins, Audre Lorde, there are several of them. And their collaboration is very great. From them I understood a lot about society, about the need to break with the temptation of universality when we talk about women, the importance of the intersectionality of the struggles. From them I was able to perform a more sophisticated analysis of society.

Robin: Talking about intersectionality reminds us that black people are diverse. But there is a crystallized and racist image of what it means to be black in Brazil. From your point of view, what is missing for the blackness to be seen and appreciated in its complexity and not only through reduced roles? Even the Brazilian black movement, has it been able to appreciate or understand that diversity?

Djamila: It is really important to realize that we are different, we can not fall in patterning that the colonizer vision imposed to us. But more than that I think the concept of intersectionality lead us to realize that oppression act in a crisscrossed and combined way, that a black woman, for example, suffers from two structural oppression, and therefore she can’t choose against which she will fight, because both reach her. The intersectional view makes us think public policies to reach groups that were invisible for universal policies. For example, the latest research on feminicide in Brazil shows that it decreased by 10% the murders of white women and it rose by 59% the murders of black women. It shows that the policies toward violence against women are not reaching black women and it happens because it is missing an intersectional look of the oppressions.

Robin: In recent years, many black people have used social networks to see themselves aesthetically in another way. Mostly young people, mostly girls, have posted content that challenges and deconstructs imposed stereotypes in an effort to appreciate their beauty and their blackness. How do you think those actions are involved in the struggle of the black movement as a whole? The way black people see themselves aesthetically has any impact on how the various fronts of the black movement organize themselves, face their struggle and see their condition?

Djamila: Our body is political, then talking about our aesthetics and appreciating it is a way to combat the stigmatized image that was placed to us. I wish when I was 15 years old I could follow a girl who would teach me how to take care of my hair. We kind of don’t exist yet in fashion magazines or television, so I consider it’s very important for young people to occupy the virtual spaces to talk about this topic. My only reservation is that we can’t fall on other impositions, such as “the perfect curls”, for example, and that we should evidence our diversity in these spaces. For example, giving space for dark-skinned black women, women with afro-textured hair and not only wavy hair. And we must always have the class issue as important, because you can’t only make videos with expensive and not affordable products. But somehow I find this movement very nice and I think it’s really positive.

Robin: What have been the biggest black feminism fighting gains in Brazil? What do you understand that can be celebrated? And what are the major difficulties to be addressed going forward?

Djamila: We have had wins, no doubt. The racial quotas in universities, the Law 10639 (addressing the teaching of African and Afro-brazilian history and culture), which although we still debate its effectiveness, was a gain. I believe that because of the social networks we could reach more people with our issues and agenda. But much remains to be addressed. It couldn’t decrease in a few years the damage of 354 years of slavery. The genocide of the black people is a sad reality. At the same time we move forward in some fields, we can’t move in others. Many and many who came before us fought hard so that we could be here today. It is important to always revere that history, but there is still a long way to go.

Photo: By Vinicius Gomes

Original Portuguese
O Brasil tem visto um enorme levante do movimento feminista negro nos últimos anos. Mulheres negras tem alcançado espaços que antes eram ocupados apenas por pessoas brancas. A filósofa brasileira Djamila Ribeiro, Mestre em Filosofia Política pela Universidade Federal de São Paulo, é um grande exemplo disso. Ela é mulher, ela é negra e tem trazido de fora pra dentro da academia as lutas de mulheres negras que não vão voltar atrás.

Robin Batista: Desde sempre o ensino da filosofia focou em filósofos homens, reproduzindo a ideia de que pensar e fazer política era coisa para homens. Como é ser uma filósofa num espaço como esse, que ainda espera ouvir somente vozes masculinas?

Djamila Ribeiro: Ainda não é fácil porque há uma invisibilidade da história das mulheres dentro da história tradicional da filosofia. Na minha graduação não estudei nenhuma filósofa, tive que buscar essas referências por conta própria. Então foi um trabalho de fora para dentro da academia. Muitas vezes me sinto num não lugar, não me encaixo em nenhuma tradição porque estou mais interessada em utilizar os conceitos trazidos pelas filósofas como meios de interpretação do mundo e não somente como uma história estática.

Robin: Algumas pensadoras brasileiras te inspiraram a se inserir na filosofia? A produção intelectual de mulheres é valorizada de forma relevante no Brasil, no sentido de colaborar teoricamente para a construção de determinado grupo social ou político? Como você vê isso?

Djamila:
Lélia Gonzales, Sueli Carneiro, Luiza Bairros entre outras, são grandes inspirações para mim, alicerces. Em relação às mulheres brancas já houve um avanço, muitas delas já conquistaram espaços e são reconhecidas em suas áreas de atuação. Mas, em relação às mulheres negras ainda há um longo caminho pela frente para se combater o que as feministas negras chamam de “epistemicídio”, o assassinato de nossas epistemes, como se mulheres negras não produzissem conhecimento. Há muito conhecimento produzido, porém ainda há uma visão pautada no masculino e no branco.

Robin: E que outras mulheres negras de outros lugares te inspiram? Como ou em que elas colaboram para a formação de suas posições filosóficas?

Djamila: Angela Davis, bell hooks, Claudia Jones, Patricia Hill Collins, Audre Lorde, são várias. E a colaboração delas é muito grande. A partir delas entendi muito sobre a sociedade, sobre a necessidade de se romper com a tentação de universalidade quando vamos falar de mulheres, a importância da interseccionalidade de lutas. A partir delas fui capaz de realizar um diagnóstico mais sofisticado da sociedade.

Robin: Falar de interseccionalidade lembra que as pessoas negras são diversas. Mas existe uma imagem cristalizada e racista do que significa ser negro no Brasil. Na sua visão, o que falta para que a negritude seja vista e valorizada na sua complexidade e não apenas através de papéis reduzidos? O próprio movimento negro brasileiro tem conseguido valorizar ou entender essa diversidade?

Djamila:
É muito importante perceber que somos diversos, não podemos cair na padronização que o olhar colonizador nos impôs. Mas mais do que isso acredito que o conceito de interseccionalidade nos faz perceber que as opressões agem de forma entrecruzadas e combinadas, que uma mulher negra sofre com duas opressões estruturais, logo não pode escolher contra qual vai lutar porque ambas as atingem. O olhar interseccional faz com que a gente pense políticas públicas de forma a atingir os grupos que foram invisibilizados por políticas universais. Por exemplo, a última pesquisa sobre feminicídios no Brasil mostra que diminuiu em 10% os assassinatos de mulheres brancas e que aumentou em 59% o de mulheres negras. Isso mostra que as políticas de combate à violência às mulheres não estão atingindo as mulheres negras e se não estão é porque está faltando um olhar interseccional das opressões.

Robin: Nos últimos anos, muitas pessoas negras tem passado a usar as redes sociais para se ver esteticamente de outra maneira. Principalmente jovens e adolescentes, na maioria meninas, tem postado conteúdo que questiona e desconstrói estereótipos impostos, num esforço de valorizar sua beleza e sua negritude. Como você acha que essas ações colaboram com a luta do movimento negro como um todo? A forma como as pessoas negras se vêem esteticamente tem algum impacto na própria forma como as diversas frentes do movimento negro se organizam, encaram sua luta e enxergam sua condição?

Djamila: Nosso corpo é político, então falar da nossa estética e valorizá-la é uma forma de combater o olhar estigmatizado que foi colocado em nós. Queria eu, aos meus 15 anos, poder seguir uma moça que me ensinasse como cuidar dos meus cabelos. Ainda não existimos nas revistas de moda, na televisão, então julgo muito importante que as e os jovens ocupem os espaços virtuais para falar desse tema. Minha única ressalva é que não podemos cair em outras imposições, como a dos cachos perfeitos, por exemplo, e que possamos evidenciar a diversidade entre nós nesses espaços . Colocar mulheres negras de pele escura, cabelo crespo e não somente cacheado. E importante, termos sempre a questão de classe como importante, não dá para fazer vídeos com produtos caros e não acessíveis. Mas de certa forma acho muito bacana esse movimento e julgo positivo.

Robin: Quais tem sido os maiores ganhos da luta do feminismo negro no Brasil? O que você entende que pode ser comemorado? E quais são as maiores dificuldades a ser enfrentadas daqui pra frente?

Djamila: Tivemos vitórias, sem dúvidas. As cotas, a Lei 10639 [que versa sobre o ensino de história e cultura africana e afrobrasileira nas escolas], que apesar de ainda pautarmos sua efetividade, foi um ganho. Acredito que por conta das redes sociais pudemos atingir um maior número de pessoas com nossas questões e pautas. Mas ainda há muito a ser enfrentado. Não se diminuiu os estragos de mais 354 anos de escravidão em poucos anos. O genocídio da população negra é uma triste realidade. Ao mesmo tempo que avançamos em alguns campos, não conseguimos em outros. Muitos e muitas que nos antecederam lutaram muito para estivéssemos aqui hoje. É importante sempre reverenciarmos essa história, mas ainda há um longo caminho a ser percorrido.

* Robin Batista is a Brazilian designer, student in Afro-diasporic Visual Arts and AFROPUNK contributor.
www.facebook.com/robiefreakcode

*Vinicius Gomes
https://www.facebook.com/Vinicius.gfs

Related